domingo, 12 de fevereiro de 2012
Após um certo tempo você decide que quer ser alguém na vida e resolve fazer uma faculdade, como não tem muitos recursos (ou tem mas prefere economizar) começa a estudar para fazer o vestibular numa faculdade pública. Promete a si mesmo que vai arrebentar na prova e se inscreve num cursinho pré-vestibular ou começa a estudar em casa.

No primeiro dia de aula no cursinho me senti como se fizesse parte de um planeta paralelo onde não tinha muita informação e viajava na maionese durante as aulas, porque descobri que não sabia nem a metade de tudo aquilo o que os professores ensinavam, e foi aí onde a depressão começou...
Peguei o livro do cursinho (que era só um resumão de cada assunto) e mais um monte de outros para complementar os estudos. A depressão e o desespero continuam pois os professores dizem que "enquanto você dorme, seu concorrente estuda"..
Foi quando me afundei nos livros e parei de sqair de casa para atividades normais, ia de casa para o trabalho, do trabalho pro cursinho e do cursinho ia para casa estudar até tarde e acordar cedo no dia seguinte para a mesma rotina.

Conhecendo os colegas de cursinho, procurava perguntar que área eles queriam seguir para assim descobrir um possível concorrente e tentar ser melhor que ele. No meio desse povo descobri os alunos que estão lá apenas por estar, que não veem aula, que dormem ou fogem das matérias e me senti feliz (porque a gente se sente feliz em ver que está na melhor)


Estuda, estuda, estuda e não importava o quanto eu estudava, sempre achava que não era o suficiente e que eu precisava me esforçar mais e mais e mais. Fiz amizades ótimas, principalmente com pessoas que queriam Medicina, sempre dizia a eles que eles deveriam saber mais do que eu porque a escolha deles requeria um conhecimento universal, eles tinham que saber de tudo quanto eu tinha que me dedicar a exatas (coisa que sempre amei). Pessoas como o Rafael e a Camilla (que vivam implicando um com o outro, e que conseguiram ambos passar em Medicina.


Pessoas como o Milton (que passou para Relacões Públicas)


E pessoas como o Luan e a Maria Eduarda (que eu não tenho foto com eles porque eles são tímidos...)

No primeiro ano de cursinho não passei em nenhuma das minhas opções, foi triste e muito mas muito desmotivante mesmo. Batia o pé que queria mecânica, que queria fazer exatas, que queria fazer faculdade pública e não desisti. Passei mais um ano no cursinho, conheci gente nova, tive momentos inesquecíveis.. Nesse ano eu fiz duas promessas, uma de que se eu passasse, queimaria todos os meus livros de estudo e que eu deletaria essa foto do meu celular:



Essa foto está no meu celular desde 19.11.2010 20:42 e foi tirada numa aula de biologia do professor Thiago (nunca mais esqueci o que era o Crossing Over), sempre colocava como papel de parede no celular quando estava prestes a fazer alguma prova.

Também teve o professor Davi, de matemática (que era o meu favorito) com aquele sotaque do nordeste e o professor Gerson, de geografia. Eu não precisava estudar geografia e só o fazia porque o professor era foderosamente bom e eu sentia vontade de aprender e de estar em todas as suas aulas.


Neste ano consegui passar para um curso que eu não queria, por ter tirado uma pontuação baixa. Na hora das provas ficava muito nervosa e na redação sempre me dava um branco, o que fazia eu me sair um completo desastre. Foi quando eu desisti da vida de cursinho, me dediquei ao trabalho e a leitura, comecei a viver e fazer outras coisas. Volta e meia voltava a fazer alguns cálculos mas não era com tanto afinco. Fiz a prova para Técnico em Eletrotécnica no IFAM (Instituto Federal do Amazonas) e passei. Fiquei muito feliz, verdade. Fiz a minha inscrição no dia 13 de Julho de 2011, também conhecido como Dia Mundial do Rock (as inscrições iam do dia 12 ao 13 e eu optei por fazê-lo dia 13).

No fim do ano, fiquei esperando pelas provas de vestibular. A única coisa que treinei foi a redação e aprendi como argumentar melhor. Me inscrevi para todo vestibular que aparecia, ENEM, IFAM, UEA, CETAM e ainda esperava abrir oportunidades de bolsas de estudo.

Meu sonho de consumo era sempre passar na UEA, considerada a mais difícil. Me inscrevi para um curso cruel, Tecnologia em Automação Industrial, também conhecido como Tecnologia em Mecatrônica. Só tem UMA Engenharia lá (que depois do 3º período o aluno escolhe qual a área quer fazer) e eu não ia querer disputar por apenas 58 vagas com 1316461231 candidatos. No meu grupo só haviam 8, OITO VAGAS , para o curso. Me inscrevi jurando que eu mesma não ia conseguir.

Uma coisa que aprendi com vestibulares anteriores é que não importa qual concurso você quererá se inscrever, LEIA SEMPRE A DROGA DO EDITAL ANTES. É no Edital que consta a data da prova, o que você tem que levar, quando sairá os resultados e o que você terá que fazer. Colocava no calendário do celular quando eram as datas das provas, da entrega dos documentos, da data de saída da lista dos aprovados e etc.

Fiz uma redação incrível no ENEM e no IFAM, na UEA eu nem lembro o que raios escrevi naquele pedaço de papel com 30 linhas. Pela ordem, o resultado do IFAM saiu primeiro, seguido pleo do ENEM e depous pelo da UEA, ainda tinha o Bolsa Universidade, programa de incentivo do governo para que alunos pudessem ingressar no ensino superior com uma bolsa de estudos. Passei no IFAM para um curso que eu queria, mas estava triste porque a faculdade é longe de onde moro, No ENEM me senti injustiçada porque tirei uma nota mediana na redação e não consegui a pontuação necessária para o curso que eu queria. No da UEA eu nem vi a lista, sabia que tinha sido uma droga naquela prova e estava esperando o resultado do Bolsa Universidade, quando saiu o resultado do bolsa descobri que não tinha sido contemplada com isso e fiquei triste. Aí entrei no site da UEA para saber quando seria a 2º Chamada do vestibular. Para a minha surpresa descobri a seguinte mensagem:


Tenho um plano depois que começar a cursar esse curso, mas isso ainda é um segredo. Na lista dos aprovados meu nome constava em 7º lugar




Sou uma péssima fotógrafa --"

Enfim.

Depois da aprovação me senti mega feliz porque todos os esforços que fiz valeram a pena,. Demorou, é verdade, mas ainda assim valeu a penaestar cursando MECATRÔNICA (mecânica aplicada à robótica e outras coisas mais...)

Agora sou universitária pelo estado e me sinto honrada com isso. Posso não estar fazendo engenharia, mas estou com um pé dentro da faculdade, mudar de curso na mesma instituição é só uma questão de tempo :))

4 comentários:

polyandra disse...

Nossa, meus parabéns!
sei bem qual é essa sensação, e faz pensar que todos nossos sonhos valem a pena.
Meus sinceros parabéns e que ainda tenha sobrado grandes doses de força de vontade pra essa nova etapa que é a faculdade viu?
estarei torcendo por você, tens toda a capacidade ;*

Ricardo Galvão disse...

Parabéns! Fico muito feliz por você Natália! Gostei muito de ler esse post vendo sua jornada até conquistar essa vitória!
Te desejo sucesso!

lugar_teu disse...

Parabéns Natália =) fico contente por ter conseguido.

Agora só falta eu tirar meu pé de dentro da faculdade..

bj*

Anônimo disse...

nossa, parabéns. estou passando pela mesma coisa agora e estou muito feliz por você de verdade. parabéns

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...